O gol que valeu por 400

Alex guardou um dos momentos mais espetaculares da carreira para o Couto Pereira. E o povão coxa-branca foi só delírio e arrebatamento

testeira

 

É uma quarta-feira fria em Curitiba.

No Couto Pereira, uns 15 mil devotos do Coxa enfeitam as arquibancadas para ver o time da casa medir forças com o Fluminense, pela 8ª rodada do Brasileirão.

É o penúltimo jogo antes da parada para a Copa das Confederações.

Alex soma 399 gols na carreira. Ele já teve a chance de conceber a marca indelével de 400 tentos num pênalti contra o Nacional-AM, mas perdeu. Talvez de propósito, porque o tento notável merecia uma moldura mais nobre, um jogo mais célebre.

Os donos da casa começam vencendo, com um tento de Robinho num passe magistral de Alex, por baixo da zaga quando todo mundo esperava por cima. Mas Carlinhos já empatou o jogo.

Um a um no Major.

Os resultados da rodada sopraram a favor do Coritiba. Basta vencer pra liderar o certame, sabor doce que o escrete não conhece há 11 anos.

São 42 do segundo e os arquibaldos já aceitam o empate. A torcida que nunca abandona já se convence de que a liderança do Brasileirão depende de um milagre.

O camisa 10 recebe um passe estéril pelo meio, que não deve dar em nada.

Ele caminha, ganha cancha, empurra os beques tricolores para trás.

Até que o zagueiro comete uma falha singular: deixa a bola folgada e faceira cair no pé esquerdo de Alex. E ali, daquela distância, a canhota costuma ser fatal.

Alex ergue a cabeça e fita o arqueiro, que a esta altura já sente que algo grandioso por demais está para acontecer.

Ele chuta um chute inflamando, embebido em cólera.

O Couto silencia. Bandeiras param, flâmulas cessam, gargantas secam. É o mais funesto silêncio.

Só o assobio estridente da bola cortando o vento ressoa pelo concreto do Couto Pereira.

 

VEJA O PÔSTER DO GOL DE CALCANHAR DE ALEX COM A CAMISA DO CRUZEIRO

 

A bola, então, desenha uma curva sinistra, fugindo das mãos do arqueiro e estourando violentamente entre as redes do gol dos fundos do Major.

O estádio vem abaixo.

São só 15 mil pessoas. Mas cada qual está ali esperando exatamente por isso: pelo gol 400 de Alex. Um gol estrondoso, que coloca o Coritiba no cume da tabela, onde o ar é rarefeito. E que eleva Alex à condição imaculada de monstro sagrado do Futebol.

Na arte destríssima de fazer gols, ele está à frente de Maradona, de Cruyff, de Zidane, de Platini e de um punhado imenso de sumidades.

Agora, Alexandre Norito eterniza esse feito contando alguns dos momentos mais históricos da carreira do craque, celebrando, acima de tudo, os seus feitos com a camisa do Coritiba, que ele veste com orgulho desde muito antes de pisar numa cancha de jogo.

Baixe o pôster, faça rodar pelas redes sociais e homenageie o último exemplar dos jogadores que jogam por amor.

Alex vai parar.

 

 

cartaz gol 400

A arte é de Alexandre Norito.

 

REVEJA OS OUTROS CARTAZES DA SÉRIE QUE HOMENAGEIA O ALEX:

UM GOL PARA ENFEITAR O FUTEBOL

PELAS VEREDAS DE SIMÓN BOLÍVAR

A LETRA IMPECÁVEL

UMA PARÁBOLA ARGENTINA

 

PartilheTweet about this on TwitterShare on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *