A letra impecável

O gol colossal de Alex com a camisa do Cruzeiro acaba de virar um cartaz primoroso nas mãos de Lucas Oro

velho_capa_poster_

 

Cruzeiro e Flamengo decidiam a Copa do Brasil de 2003. Mas esse primeiro jogo da final, sediado no Maracanã, começou muito antes, pertinho dali, nas Laranjeiras.

Era 1942. O Fluminense jogava contra o Madureira para garantir o tricampeonato Carioca. O jogo não valia nada para os visitantes, que só cumpriam tabela. Mas eles tinham um trio ofensivo cheio de malícia, conhecido pela alcunha de Três Patetas.

E ocorre que a trinca resolveu jogar um Futebol federal naquela tarde, envolvendo o Fluminense numa trama pavorosa. Isaías, um dos patetas, recebeu a bola, fitou o arqueiro e chutou de perna trocada, cruzando um X, inventando um golpe tão fabuloso quanto novo para o Futebol.

Nas cabines das Laranjeiras, Mário Filho, rápido como um contragolpe, cunhava: “Foi um tremendo gol. Foi um gol de letra, senhoras e senhores”.

Voltamos a 2003, no primeiro jogo da decisão.

São 30 minutos do segundo tempo e o placar é inviolável: nenhuma bola entra. Temos um contumaz zero a zero.

Aristizábal carrega e bola pelo meio, espia Deivid pela direita e passa.

O avante desce pelo lado da área, ergue a cabeça e vê Alex, cabeça reluzente, fechando pelo meio: cruza rasteiro, por baixo, à frente da zaga rubro-negra. Mas a bola vai adiantada demais – Alex já passou dela. É mais uma oportunidade criada em vão no Maracanã.

 

VEJA O PÔSTER DO GOL EMBLEMÁTICO DE ALEX COM A CAMISA DO PALMEIRAS

 

O sistema defensivo do Flamengo já ameaça respirar aliviado. O povão, nas arquibancadas, já estuda um sorriso de alívio. Mas vemos Alex desenhando um malabarismo no ar. Ele ainda acredita na jogada que ninguém mais consegue enxergar. Ele pula, abre as pernas, corrige a postura para algo que só ele entende e conhece.

Alex cruza as pernas em X, traz o pé direito por trás da perna esquerda, fustigando a bola com o calcanhar eludibriando o guarda-redes num engodo terrível. É um golpe definitivo, do mais requintado ilusionismo.

Foi um tremendo gol. Foi um gol de letra, senhoras e senhores.

Mário Filho já não pode narrar o feito colossal de Alex, já não pode explicar o silêncio fúnebre que toma conta das arquibancadas. Mas ele está aqui. Ele é o próprio Maracanã. Ele é o Estádio Jornalista Mário Filho. E ali das cabines ele está vendo isso tudo e sorrindo, sabendo que o talento azul acaba de usar o seu verbete para engrandecer o Futebol.

Agora, a letra impecável de Alex está eternizada pelas mãos do designer e tipógrafo Lucas Oro em um cartaz.

Baixe o pôster, faça rodar pelas redes sociais e homenageie o último exemplar dos jogadores que vestem uma camisa por amor.

Alex vai parar.

 

lucas_oro

A arte de Lucas Oro.

 

REVEJA OS OUTROS CARTAZES DA SÉRIE QUE HOMENAGEIA O ALEX:

UM GOL PARA ENFEITAR O FUTEBOL

PELAS VEREDAS DE SIMÓN BOLÍVAR

UMA PARÁBOLA ARGENTINA

O GOL QUE VALEU POR 400

 

 

PartilheTweet about this on TwitterShare on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *